segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Biodegradável

                                              
 
As mulheres de meia-idade são a curva descendente do sol, o último comboio sem passageiros, a erva seca  num campo abandonado.

Estas incuráveis-dos-anos ainda aguardam por coordenadas que acreditam poder resgatar-lhes o percurso mais à frente, elas que um dia decidiram achar generoso esperar pela virtude e acreditar no tempo para tudo, não se dando conta da emboscada imoral  que as enganou.


Há mulheres de meia-idade que passam a ferro e tiram o pó das molduras, outras mudam a terra dos vasos e cortam as unhas do gato e esta que testemunha o tempo a tirar identidades que eram suas. E como lhe custa.
As mulheres que entre promessas de futuro não chegaram a ser presente coleccionam para sempre as culpas de todos os equívocos acumulados às costas como uma cordilheira montanhosa.

A estas depressivas-dependentes dos desafectos resta a insónia das madrugadas que a rádio  programa. A mim cabe-me o cansaço dos dias sob o peso do pânico que o medo me traz.

De nós, amostras da cronologia biodegradável, acerca-se a inevitabilidade do tempo que nos destrói.


2 comentários:

  1. Uma pergunta em cima de uma pedra
    no cume da montanha,
    há sol,
    Em que (princípio do tempo)
    fica a meia-idade?

    ResponderEliminar

Dentro da nave

Astronomy Picture of the Day