quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

(...)

Espera-me uma insónia da largura dos astros,

E um bocejo inútil do comprimento do mundo.

(...)

Passam por mim, transtornadas, coisas que me sucederam

— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo;

Passam por mim, transtornadas, coisas que me não sucederam

— Todas aquelas de que me arrependo e me culpo;

Passam por mim, transtornadas, coisas que não são nada,

E até dessas me arrependo, me culpo, e não durmo.

(...)
 
Álvaro de Campos  in  Poemas

Sem comentários:

Enviar um comentário

Dentro da nave

Astronomy Picture of the Day