domingo, 4 de dezembro de 2011

Confidências



Passei os meses seguintes a fazer tudo para aceitar o que me foi tirado. Concluí não estar preparada para a complexidade da vida depois da vida. Prefiro sofrer a despedir-me do mundo onde não tenho sido feliz mas, ainda assim, o único que conheço.

As hostes têm vindo a tombar na frente da guerra inevitável entre a vida e a morte. Este combate inútil, determinado desde a génese dos tempos, revolta-me e complica-me a existência precocemente fragilizada pela sombra das perdas.

Na trincheira do pânico vejo esgotar-se a pequena reserva de força. As emoções consomem-se para deixar passar a voz que subsiste apesar de todas as dores.

Sou uma sombra do que fui e enquanto esta chama persistir sobreviverei a qualquer morte  – rezo noite dentro.

Por quanto tempo mais?

2 comentários:

  1. Querida Né:

    A única coisa que posso dizer é, citando um antigo professor meu (Paulo Rocha) que por sua vez citava um ditado japonês: O Futuro É Sempre Melhor Que o Passado. É acreditar firmemente nisto que me dá força para enfrentar as agruras do dia-a-dia. A despropósito: sexta-feira lá nos encontraremos no Etnias. Um beijo e até lá!

    ResponderEliminar
  2. Querido António,

    Que bom saber que te vou ver! Saudadinhas tuas.

    Beijinhos :)

    ResponderEliminar

Dentro da nave

Astronomy Picture of the Day