quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

1900

Em conversa com um amigo,à hora do café falou-se do 1900 de Bernardo Bertolucci e nenhum dos dois se conseguiu lembrar do nome dos actores. Fiquei em pânico ao verificar que apesar de ser um dos meus filmes eleitos de sempre, a memória decidiu pregar uma rasteira...
Robert De Niro, Gérard Depardieu, Burt Lencaster, Donald Sutherland,todos, todos IMENSOS.

1976, no cinema Gil Vivente, em Coimbra. Hoje em forma de tributo.

6 comentários:

  1. Uma das grandes obras do Bernardo Bertolucci,à qual ainda não assiti,confesso.Já a coloquei na minha "lista de coisas por fazer,ler e ouvir".O Ennio Morricone esse,dispensa qualquer lista!
    Quanto à memória atrevo-me a dizer que a sobrevalorizamos.Também eu padeço desse suposto "mal",dessas ditas traições.Penso que o cérebro,conforme o moldamos,consoante o tipo de estímulos com os quais o alimentamos,tende a dar mais importância a outros pormenores do que recordar situações de rótulo.Assuma-se o cérebro como emocional.É certo que nem todos os são,mas sendo,há que o entender.O que nos torna conhecedores,ou culturalmente bem aceites,depende de quem sente.Não pode ser quantificado,apenas pelas datas,nomes,formulas,e outras nomenculaturas que recordamos.Considero ser essencial a essência.O centro nevrálgico de todas a questões.A forma como transmitimos o nosso conhecimento,depende de cada um.A forma como somos intrepertados,nem sempre...
    Não te lembraste do nome dos protagonistas,
    mas terás esquecido as emoções que te causaram?...
    Se não fossem elas,não teriamos o tributo que connosco partilhaste.Com isso,acabaste de acrescentar mais um ponto,ao meu conhecimento.
    Era só aqui que queria chegar...
    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Cesare Pavese: «non ricordiamo giorni, ricordiamo attimi» («não recordamos dias, recordamos momentos»).

    Buona serata, Né e XII.

    ResponderEliminar
  3. (Suponho que o "intrepertados" esteja incorrectamente redigido.Pois está.Critérios de interpretação.)

    ResponderEliminar
  4. Os nossos padrões mentais são essencialmente verbais, daí o natural desconforto pelo esquecimento de nomes. Mas provavelmente será mais importante reter emoções perante imagens, cheiros, sons. Tenho na cabeça imensas imagens de filmes cujos realizadores não faço ideia de quem possam ser. Sobretudo os mais antigos. Ok, para catalogar informações é útil reter nomes, mas não é o mais importante.
    JR

    ResponderEliminar
  5. Sinto-me mais confortada :) pelo que disseram, mas não é um sufoco quando queremos chamar os nomes às coisas e as palavras não aparecem? Ai...
    Ser muita emoção causa também esta emoção de desconforto perante a realidade do envelhecimento da matéria :(

    ResponderEliminar
  6. Preocupa-te sim,
    quando tiveres uma coisa na mão
    que não te lembras para que serve.
    ;)

    Um abraço beeem apertadinho!

    ResponderEliminar

Dentro da nave

Astronomy Picture of the Day