domingo, 5 de dezembro de 2010

A estória da laranja

Promenade - Marc Chagall


Almas gémeas sobem juntas ao infinito, dizes.
O resto que não é assim chama-se solidão, digo.
Depois de algum tempo em silêncio vem a certeza como um clarão que cala os meus argumentos.
Eu acredito, clamas triunfal, que pessoas como nós não se abandonam, vivem enlaçadas por atóis o resto da vida. E ficam para sempre!
Possivelmente com um véu de misericórdia a cobrir-lhes a casca sem gomos, acrescento.

4 comentários:

  1. Espelho... Acrescento.gomos sem casca a cobrir a misericórdia de véu *

    ResponderEliminar
  2. Eu acrescento: misericórdia da casca sem véu para encobrir os gomos. A nudez é o seu espelho.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 10/12/2010

    ResponderEliminar

Dentro da nave

Astronomy Picture of the Day